Os que buscam a Verdade

Busquem e encontrarão.

Arquivo para a tag “culpa”

O coração do artista: Capitulo 2 parte 3 (FINAL): O que NÃO é humildade

“O orgulhoso diz, ‘Veja o que eu fiz.’ O humilde fala: ‘Veja o que Deus fez através de mim.’”

Rory Noland

É pecado sentir-se confiante em meio a uma apresentação? Isso me faz menos humilde?

Segundo Rory, perguntas como essa frequentemente partem de pessoas que atribuem (erroneamente) humildade a três perfis de pessoas:

O omisso (“being spineless”) – Uma pessoa covarde, que não sabe confrontar os outros, deixando dessa forma que os outros o façam por ele.

Responda rápido: Alguém que não corrige o seu próximo o ama de verdade? Leia Hebreus 12 – 5 ao 11 e veja!

Como bem disse o reformador Martinho Lutero: “A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço.” Deus nos chamou para dizer a verdade em amor! O pai da mentira é o Diabo, e é ele quem se alegra quando damos tapinhas nas costas de alguém que precisa se arrepender, ou simplesmente não tomamos partido e nos omitimos, seja por covardia, seja por medo de rejeição. Temos sido condescendentes com o pecado dos outros?

O sem convicção (“wishy-washy”) – Aquele tipo de pessoa sem norte, que muda facilmente de opinião (veja Tg. 1:8). Ser receptivo a sugestões e críticas é diferente de ter um coração dobre, mudando constantemente de direção. Não devemos colocar a vontade do grupo acima da vontade de Deus: A palavra é nosso farol, nosso referencial, e é por não conhecê-la de verdade que muitas vezes somos enganados ou sofremos.

Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho.
Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.

Salmos 119:104-105

O coitadinho (“apologetic”) – Aquela pessoa que vive se auto-depreciando: “Você não sabe o que eu sofri”, diz ele, julgando que isso o faz melhor do que os outros, se vangloriando da própria desgraça. Fazemos isso até mesmo involuntariamente, quando recebemos elogios e assim respondemos: “Sou só um verme sendo usado por Deus até que ele ache alguém melhor.” ou algo como “A glória é dele irmão, eu não sou nada!” Não questiono a veracidade dessas frases: elas são verdadeiras, são genuínas, mas muitas vezes a nossa intenção por trás delas não é.

A autocomiseração é pecado: Tomando uma posição como essa nos colocamos numa posição egoísta, ignorando os problemas dos outros e focando nos nossos e superestimando-os. Não é errado entristecer-se em face das dificuldades, mas nunca deixe que elas façam com que você perca o amor de Deus de vista! Lembre-se: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Rm. 8:28-29).

E assim terminamos o segundo capítulo (apesar de ainda ter muita coisa pendente, não é minha intenção postar o conteúdo do livro integralmente). Semana que vem começamos o terceiro capítulo: Um abraço!

Na busca pela verdade

Bruno!

Anúncios

Falte a igreja neste domingo…

julgoTenho nestes anos todos observado que existe um grupo grande de crentes que têm pouca ou nenhuma alegria em viver. A vida é vivida como uma carga a ser levada pela alma. Nada tem graça.Nada é de Deus e não estou falando apenas dos nossos queridos fundamentalistas conservadores ou pentecostais. Falo de pessoas que estão em qualquer denominação e que se culpam por estarem alegres e pensam que a vida sendo vivida com risos e brincadeiras, estará sendo espiritualmente desperdiçada. Um grupo que sente culpa e medo de Deus, caso fique um domingo em casa cumprindo o mandamento do Senhor (“descansar um dia por semana”).

Indivíduos formam grupos e grupos formam igrejas e assim algumas igrejas passam a ser um hospital do qual ninguém recebe alta, nunca! Pessoas chegam doentes e ali permanecem se não doentes, ao menos com a cara daqueles. Jesus veio para os doentes, mas para curá-los, não perpetuá-los. Outros chegam não tão doentes e, passados alguns anos, estão na UTI…

Neste contexto, para tais cristãos o serviço ao Senhor passa a ser pesado, um fardo a ser carregado, debulhando-se em lágrimas. Mas, não deveria ser leve?

Quantas vezes eu já chorei! E penso que muitas outras vezes chorarei pela minha vida, pela de alguém querido ou pela Obra de Deus que não é realizada adequadamente. A vida nos faz sofrer. Ver uma igreja morrendo ou um trabalho sendo destruído nos faz sofrer. Lágrimas, companheira de todos. Entretanto, uma coisa é o sofrimento estar presente, outra é o sofrimento ser parte integrante e indissolúvel da vida da igreja e da vida daqueles que fazem a Obra de Deus.

Já ouvi algumas vezes esposas de pastores, por exemplo, rezando a prece das coitadas: “Ah… Como a gente sofre por ser esposa de pastor… Coitadas de nós, pobres sofredoras…”. Quanto peso, quanta dor, quanto sofrimento… Quanta carga assumida… Neste caso, específico dos cônjuges de vocacionados, percebo que realmente haja um conflito maior dentre elas, uma vez que sofrem uma expectativa anacrônica por parte de algumas igrejas. Ou seja, tais “esposas pastorais”, participantes em um mundo o qual foi conquistada pelas mulheres (independência psicológica, financeira, intelectual e profissional) mas por vezes igrejas fantasiam que a esposa do pastor deva ser uma co-pastora, ou seja, uma profissional que é quase tão responsável quanto ele pelo “sucesso” dos trabalhos e pela manutenção da ordem institucional, entretanto, sem fazer jus a qualquer remuneração.

Se observarmos friamente as escrituras, perceberemos que as esposas dos líderes do antigo e do novo testamento eram em sua maioria figuras inexpressivas ou, no máximo, coadjuvantes e muitas sequer são citadas. Não é adequado impor sobre as esposas dos vocacionados expectativas que vão além de mãe, esposa, e profissional. Quem é o “contratado de Deus ” para a instituição é ele, o vocacionado. Para muitas esposas de vocacionados, a Obra do Senhor converte-se num martírio.

Retornemos ao ponto focal. Muitas pessoas, crentes, honradas, honestas e sinceras diante de Deus, não raro, sentem-se escravizadas pela instituição, pelo horário do culto e pela manutenção física da agenda igreja.

Assim, para muitos, ir à igreja não é um prazer, mas uma obrigação. São, assim, ou possuídas de pavor por não irem ao culto, ou possuídas de sentimento de culpa, a qual não deixa uma pessoa viver emocionalmente saudável. O correto seria ir à igreja porque é bom louvar, mas não por constrangimento. Obrigação, neste caso, é do pastor apenas.

Podemos perceber muitos pastores não colaboram com a saúde mental e emocional de seus liderados, impondo sobre eles excessiva carga com grande dose de exigência, impondo presença em vários trabalhos. Pastores que não têm nada mais o que fazer, além de ser pastor, e pensam que seus membros não trabalham, não possuem família, não merecem descanso e lazer, que não vivem.

O pastor deve ser o primeiro a estimular as famílias a tirarem pequenas férias ou fazerem pequenos passeios fez ou outra: um domingo de pic-nic numa cachoeira: Qual é o ser humano que não necessita disto? Mas domingo? Não, domingo não é o dia do descanso! Aliás, Deus equivocou-se quando instituiu um dia para o descanso, ele errou, deveria ter sim instituído um dia para o “trabalho na igreja”, assim como alguns, sabiamente, têm feito com suas ovelhas.

“_ Que descanse no sábado!
_ Mas pastor, sábado é o dia que tenho para cuidar dos afazeres da casa, consertar o carro, pregar o varal, comprar roupas com meus filhos…
_ Azar, seu mundano.”

Excesso de exigências tira a alegria. Muita carga cansa… Exigências pastorais ou auto – exigências provocam estresse e depressão… O serviço deixa de ser alegria e prazer, mas a obra torna-se pesada e para muitos vira obrigação. Adeus alegria no Senhor!

Meu sonho? Que os pastores passem a estimular as famílias e descansarem ao menos uma vez por mês, separando um domingo para lazer, descanso e comunhão, pois sucesso pastoral não é apenas uma igreja cheia, mas, sobretudo, uma igreja com pessoas emocionalmente saudáveis e que se alegram em estarem ali, cultuando espontaneamente.

Dar liberdade aos cristãos funciona? Bem, se Deus e Jesus fez assim, eu cri que funcionasse e assim tenho dirigido meu rebanho. Um rebanho que não existia a quatro anos atrás. De zero, hoje somos 80 membros, ativos, felizes e espontaneamente trabalhadores, sem pressão eclesial… Ovelhas que geram ovelhas, naturalmente, crescendo, como qualquer corpo saudável cresce…

Sim, Paulo está certo: “…foi para a liberdade que Cristo vos libertou”.
Sim, os religiosos estão errados, “…pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los…”

por Luciano Maia (link original aqui)

Na busca pela verdade.

Navegação de Posts